Porque não sou feminista...

06:02:00

Não sou feminista porque...
Não sou vítima de uma sociedade opressora. Feministas gostam de culpar os homens, o sistema de governo, as crianças, o mundo, por fazê-las viver de forma oprimida e difícil. Se tem alguma vítima nesse mundo, essa se chamou Jesus. Ele sim, foi vítima de todos nós, pois pelos nossos pecados Ele foi crucificado sobre o madeiro. E nem por isso Ele abriu a sua boca para exigir seus direitos, antes, enfrentou o calvário com determinação, e finalmente conquistou a vitória. Se aparecem obstáculos diante de mim, eles não são uma razão para que eu reclame do mundo à minha volta. À exemplo de Cristo, quero estar pronta para enfrentar qualquer coisa, não exigindo e reclamando meus direitos, mas mostrando ao mundo o que posso fazer para tornar desse lugar, um mundo melhor. 

Não sou feminista porque...
Porque, embora o feminismo use freqüentemente o termo "mulheres" para definir suas pautas, sugerindo que todas as mulheres pensam da mesma forma, ou devam pensar, usa disso para atrair a sensibilidade dos incautos ao mesmo tempo em que excluem os que discordam dos seus pressupostos, chamando-os de atrasados ou machistas. Mas na verdade, suas reivindicações afrontam diretamente o objeto que dizem defender - a mulher. Nas suas exigências, impõem às mulheres fardos emocionais e espirituais pesados demais. Ao fazer do aborto e da liberação sexual uma bandeira "das mulheres", tornam a mulher um objeto descartável, sem emoções e afetos, desprovida de amor pela vida, que é a própria essência feminina.

Não sou feminista porque...
Eu não quero ser tratada como homem. Sou mulher, e quero ser tratada como tal. Quero ser cortejada, amada, cuidada. Quero que me vejam como algo belo e frágil. Dessa forma, terei protegidas minhas emoções e poderei contribuir para a sociedade com o melhor de mim. Deus criou um mundo onde a diversidade é a sua marca. A espécie humana ganha mais se eu for para ela o que Deus me fez ser - uma mulher. Ser mulher, portanto, é promover a verdadeira diversidade e beleza. Tratar diferentes como iguais é promover a injustiça. O bem-estar de uma nação está em respeitar as diferenças, principalmente as inatas.

Não sou feminista porque...
Suas bandeiras são falsas. O feminismo faz da luta de classe um problema social, mas o que quer é arrancar o poder para que continue beneficiar-se dele. Trata-se de uma tirania praticada em prol das vítimas que ele mesma faz. Na verdade, as feministas fazem das suas míseras vidas um problema social, quando é apenas um problema de má escolha delas mesmas. Em vez de superar suas dores pessoais e oferecer soluções para outras mulheres, mantém o status quo pois precisam ter a seus pés um bando de mulheres oprimidas por quem lutar. Eu não quero seguir o padrão desse tipo de mulher. Quero olhar para mulheres como Maria, Lídia, Suzanna Wesley... mulheres que não erraram o caminho, embora com dificuldades e estigmas sociais, e terminaram suas carreiras vencendo o bom combate.

Não sou feminista porque...
Eu não quero liberdade para fazer o que quero. Está provado, desde o Éden, que essa possibilidade faz com que as pessoas escolham justamente o caminho errado. Eu quero a liberdade que Cristo conquistou para mim. Quero a obediência do modelo bíblico pela fé, que me dá a possibilidade de antever um futuro de paz.

Não sou feminista porque...
Eu não quero ser livre para permitir que um pedaço meu seja levado nas aventuras sexuais deturpadas. As feministas tornaram o sexo casual uma necessidade da mulher. No entanto, anos de depravação resultaram em doenças sexualmente transmissíveis, gravidez indesejada, abortos, sofrimento. Eu fui feita para ser de um homem apenas. Isso me confere segurança física, emocional e principalmente espiritual - que é a paz com Deus.

Não sou feminista porque...
Não quero libertação dos homens, nem dos meus filhos, nem dos deveres domésticos. Anos de feminismo tem mostrado que a autonomia, o grau elevado de educação e o poder femininos não tornaram as mulheres mais felizes. Pelo contrário, cresce o número de mulheres deprimidas por todos os lugares. Ser livre para estar sozinha é, para uma mulher, ser como um pássaro tropical em terras gélidas.  De que adianta uma liberdade não compartilhada? Fomos feitas, desde o Édem, para os relacionamentos, para vivermos uma aventura compartilhada ao lado do homem. Negar isso, é negar a própria essência feminina.

Não sou feminista porque...
Não me incomoda depender da renda do meu esposo, nem tê-lo como autoridade sobre mim, sendo sujeita a ele. Não ter uma renda me permite levar uma vida mais lenta, concentrada na família, além de que tê-lo como chefe, é muito melhor do que ter que me sujeitar a um outro chefe que exige horários, reclama do meu trabalho e não me trata com amor. Na minha casa, eu cuido dos horários e graciosamente me sujeito ao homem que escolhi amar. Por que eu teria vergonha de ser amada, sustentada e dependente daquele que escolhi amar?




Não sou feminista porque...
Não vejo que ficar em casa cuidando da minha família seja uma perda de tempo. Pelo contrário, cuidar das minhas crianças é um dever social, moral e espiritual inalienável. O mundo ganha quando eu me dedico por puro dever e amor aos filhos que de mim saíram. Não colocarei essa carga ao estado, pois não pertence a ele. Na verdade, quando chamam a maternidade de um atraso intelectual na vida da mulher, as feministas oneram o estado com suas creches, expõem seres imaturos a doenças contagiosas, fazem com que os problemas da família sejam absolvidos pelo estado, sem falar do grande problema a longo prazo que é a formação de uma nação inteira de adultos mal-amadurecidos, infantilizados, doentes na alma. Criar filhos não depende da minha vontade, mas da necessidade que uma criança carrega. Na verdade, dar à mulher a possibilidade de ficar em casa com seus filhos, coloca por água à baixo o plano das feministas de mudar a sociedade, pois elas sabem que naturalmente nos afeiçoaremos dos nossos rebentos. Usam o argumento da qualificação profissional e intelectual como desculpa, para arrancar esse afeto natural, pondo em dúvida nossas escolhas pela maternidade, fazendo-nos crer que ficaremos com os cérebros atrofiados se nos dedicarmos ao que naturalmente amamos fazer.

Não sou feminista porque...
Eu não tenho vontade de trabalhar 40 horas semanais ou mais, passar inúmeros dias longe do lar em viagens, para ter a promoção dos sonhos.  O feminismo fez a mulher crer que agüentar uma jornada extenuante de trabalho, muitas vezes debaixo do jugo de um patrão severo, sacrificando seus filhos, marido e bens, deixando-os nas mãos de terceiros desconhecidos é melhor do que cultivar a domesticidade. Em vez de caridade no lar, impõe à mulher os preconceitos de mulheres mal-amadas, egoístas e lésbicas, em nome de uma suposta realização fora do lar.
Eu prefiro sentar no chão e brincar de boneca ou carrinho e poder receber o beijo de boa noite ao fazer uma pequena criança dormir. Alegra-me ouvir os elogios do meu marido ao sentir o cheiro que vem do fogão. Essas pequenas alegrias somadas, valem mais que qualquer bom salário de qualquer executivo. Ser dona de casa é o trabalho mais importante do mundo. Tudo o que existe e funciona, existe porque alguém passou, alguém cozinhou, alguém protegeu, alguém cuidou. Tudo o que existe, existe para que eu fique ali, dentro de casa, no centro do mundo, promovendo a paz.

Não sou feminista porque...
Posso até ter um emprego, mas não quero ter uma carreira. Carreira pressupõe uma vida inteira dedicada. Quero que minhas atividades econômicas girem em torno do maior empreendimento da minha vida: o meu lar. Meus dons e talentos serão frutos do meu desejo de tornar a minha casa um lugar de amor e paz, e não de guerra e esfriamento. Por isso, posso ser professora, artista, cozinheira, economista doméstica, desde que eu possa contribuir para o bem-estar integral daqueles que Deus me deu e que são a minha glória e coroa. A profissão, dessa forma, é o enfeite da festa, e não a festa.

Não sou feminista porque...
O feminismo fez milhares de mulheres abandonar os antigos padrões, mas nunca ofereceu um escolha sequer que funcione na prática. Todas as suas lutas levaram as mulheres, não à afirmação das suas identidades naturais, mas a um desvio doentio delas. O feminismo é, na prática, um movimento de mulheres que desistiram de ser mulheres. Homens como Thomas Edison (inventor da luz elétrica), Elias Howe (máquina de costura), Clarence Birdeye (processo de congelamento de alimentos) e Henry Ford (automóvel) fizeram mais pelas mulheres do que essas rebeldes e transloucadas feministas.
O que as feministas conquistaram? Uma terceira jornada de trabalho. Estresse. Mal-humor. Depressão. Enquanto assávamos nossos bolos, cozinhávamos nossas carnes, ornamentávamos os jardins e conversávamos com as flores não precisávamos de remédios para dormir, nem de sentido para a vida. O feminismo apenas confundiu as mulheres.
Apesar de o feminismo ter o apoio dos meios de comunicação em massa, estes, historicamente, sempre tentaram tornar a mentira uma verdade. Eu observo a grande mídia secular quando trata de assuntos morais, espirituais e de comportamento e faço o seguinte teste, que sempre dá certo: o que eles dizem ser bom, reputo como mal. O que dizem dar certo, sei que dará errado, afinal. O top 10 das revistas mundanas sempre serão um aviso para mim: "Isso não dá certo! Mantenha-se longe!".

E mais uma vez, não sou feminista porque...
Não preciso provar ao mundo que sou importante como mulher. Sou mulher porque Deus me quis assim. Quero ser esposa, mãe e dona de casa para deixar cada vez mais feministas sem razão para lutar por mim. Eu não quero uma lésbica agindo em meu nome. Quero um homem decente, honesto e trabalhador, lutando por mim, vencendo as minhas lutas, apoiando-me nos meus momentos de instabilidade emocional, e encarando de frente os desafios do mundo mal. Meu esposo me completa, faz de mim inteira. Minhas crianças revelam a própria razão de eu ser mulher e de me fazer um ser indispensável nesse mundo - aquela que gera e carrega a vida. Quero ser "a rainha da vida, e rainhas não podem ser policiais ou soldados"*. Minha casa é o lugar oculto onde o mundo não penetra, onde eu faço as regras, onde o perigo passa longe. A verdadeira liberdade está na minha casa. O lar é um refúgio contra as loucuras do mundo lá de fora.

Eu quero renunciar as conquistas do mundo para conquistar o conquistador delas. Meu marido é alguém "nas portas da cidade", mas eu sou tudo no lar. Ser mulher é viver plenamente satisfeita com o que o Criador fez. Ele não me fez para ser rival do homem, nem para lutar pelo espaço dele, mas para completá-lo e encher o mundo com filhos que serão chamados de descendência do Senhor.

Não vou contrariar o que o meu Senhor disse. Ele me disse que eu seria mulher, porque do homem fui tirada. Portanto, sou mulher e sou feminina.

_______________________
Adna S Barbosa
* C. K. Chesterton

You Might Also Like

29 comentários

  1. Que sabias, bem colocadas, verdadeiras e apaixonantes palavras. Eu sempre pensei que é uma burrice trazer para si tantos problemas e é isso que o feminismo tem feito. Falam que conquistamos direito de votar, dirigir, frequentar lugares públicos, mas sinceramente eu prefiro a tranquilidade de ser uma mulher amada e cuidada por um homem maravilhoso que me protege. Se eu sei me cuidar? Se eu sei me proteger? Diria que sim, sei viver cuidando de mim mesma, mas minha natureza feminina deseja o homem porque só através dessa relação a vida segue! O Pai disse; Serão os dois uma só carne... e através disso temos os filhos maravilhosos frutos de uma bela poesia divina, homem e mulher juntos, um complementando o outro. É uma honra ser mulher... quanto as feministas elas precisam dizer que atualmente 75% dos portadores de fibromialgia e doenças ligadas a problemas emocionais são mulheres que entraram nessa onda louca de querer ser e fazer o que não deve!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Cada vez mais encontro mulheres como nós. Na verdade, a maioria das mulheres que conheço adota esse modelo de viva, ou ao menos gostaria de poder viver integralmente para a família. Mas, precisamos falar. Se nos calarmos, deixaremos que as feministas gritem por nós. E como vimos, elas não pensam nos interesses femininos, mas apenas no modo de vida insano que escolheram viver.

      Um abraço! Apareça mais vezes por aqui! És muito bem-vinda!

      Excluir
  2. Que coisa mais maravilhosa de se ler, que benção poder encontrar irmãs que pensam como vc. Infelizmente vemos muitas feministas até mesmo em nossas igrejas, que podem até não se assumirem assim mais carregam suas ideologias todas, terceirizam seus filhos em detrimento de suas carreiras e culpam ao Senhor quando algo dá errado. É de fato uma honra ser mulher porque Deus me criou assim...

    ResponderExcluir
  3. Texto abençoador!
    Gostaria de falar alto assim, pra que muitas mulheres possam ouvir...
    Vou vivendo minha vida comum do lar, e espero que isto seja exemplo para outras, senão pelo menos para minhas filhas.
    Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Concordooooo!

    Não existe problema em trabalhar, lutar pelo seu espaço, pelos seus sonhos. O triste é disputa de "valor" que a sociedade gerou em cima de um movimento que tinha em sua essência princípios bíblicos tão claros e bem estabelecidos. Muita gente não sabe mais o feminismo começou com um grupo de *mulheres Cristãs que lutavam por batalhas que precisavam serem travadas, elas lutavam pelo direito de votar, ocuparem cargos equivalentes aos dos homens no trabalho, pelo direito de ser um ser pensante e capaz. Batalhas com as quais qualquer mulher poderia concordar em serem combatentes. Mais hoje em dia as feministas de nossa geração tem um alvo de natureza muito diversa.

    O valor de uma MULHER não é, e não deve ser medido pelo que ela faz e sim pelo o que ela realmente é diante de Deus.

    Thaisa Rauen
    *Movimento Social de mulheres Cristãs, que deu inicio a tudo " Women´s Christian Temperance Union".

    blog: www.thaisarauen.com
    Redes Sociais: Thaisa Rauen

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom! Como aprendo lendo seus textos... É inspirador e me deixa com mais firmeza em relação ao meu papel, como mulher, mãe e esposa. Que vc continue sendo esse canal de benção, pra Glória do Senhor.

    ResponderExcluir
  10. Muito bom! Aprendo muito lendo seus textos... É inspirador e me dá firmeza em relação ao meu papel como mulher, mãe e esposa. Que vc continue sendo esse canal de benção, pra glória de Deus. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Muito bom! Aprendo muito lendo seus textos... É inspirador e me dá firmeza em relação ao meu papel como mulher, mãe e esposa. Que vc continue sendo esse canal de benção, pra glória de Deus. Bjs

    ResponderExcluir
  12. É muito bom ver mulheres cristãs se posicionarem corretamente.

    Sugiro a leitura:

    "Uma reflexão sobre a mulher" (http://www.celebrandodeus.com.br/uma-reflexao-sobre-a-mulher)

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. *Palmas!* Ótimo texto, disse tudo!

    ResponderExcluir
  15. Que benção..que bálsamo... É tão bom ler tudo isso.
    Ja postei em minhas redes sociais... Grupos... Mandei para amigas... Todas mulheres cristãs deveriam ler... Parabéns pela iniciativa..

    Se um dia vc escrever sobre feminismo para não cristãs me avisa!!!

    O melhor dos seus textos é ter mais argumentos para combater essa maldição

    ResponderExcluir
  16. Muito bom o texto, apenas acho que escolher uma carreira, se o marido estiver de acordo, não é pecado.

    ResponderExcluir
  17. Excelente texto!
    Só acrescentaria que como Cristo fala o matrimônio não é para todas e que mesmo sendo Cristãs podemos e devemos contribuir como um mundo melhor com os dons que temos independente se em casa ou em nossos trabalhos. Cristo nos libertou e há um propósito pra cada uma.
    Que Deus nos guie à Sua vontade.

    ResponderExcluir
  18. Confesso que fiquei impactado com o texto! Levarei ao meu rebanho. Sou grato a Deus por sua vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! Obrigada. Ore por mim. Meu desejo é ser útil ao Reino de Deus.

      Excluir
  19. Texto sensacional! Parabéns pelo lindo texto. Sábias palavras, uma mulher como essa vale mais do quê rubis, segundo a Bíblia.
    Obrigado por esse presente, compartilhei com minha amada esposa.

    ResponderExcluir
  20. Achei o texto maravilhoso.
    Algumas coisas esbarram nos meus pensamentos, pois sou ateu, mas toda a essência tem bom senso neste texto. O movimento feminista hoje é horrível, estas extremistas além de se vitimizar, NUNCA ouvem, não tem argumentos, ou contra argumentos, na primeira tentativa de conversa, gritam que estão sendo hostilizadas, vitimizar-se, parece estratégia.
    Parabéns Adna!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Elas são totalmente incoerentes. Tenho dó delas.

      Excluir
  21. Por que aceitar somente os comentários que elogiam o seu texto e remover os que vão contra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque este blog é de autoria minha e como idealizadora dele, posso filtrar o que entra e sai aqui. Recebo comentários lindos e amorosos, outros de incentivo, mas também recebo alguns poucos desrespeitosos. Estes, eu não publico e tenho direito de fazer assim. Esta é a minha liberdade. E ninguém a pode roubar, até mesmo se vier em nome da "liberdade de expressão".

      Excluir

Visualizações

Like us on Facebook

Flickr Images

Subscribe